Chikungunya tem alto potencial de transmissão silvestre no Brasil

Chikungunya tem alto potencial de transmissão silvestre no Brasil

Uma pesquisa do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e do Instituto Pasteur, na França, avaliou a possibilidade de estabelecimento do ciclo silvestre do chikungunya no Brasil, o que poderia dificultar o controle do vírus e inviabilizar sua erradicação do território. Atualmente, a doença ocorre em áreas urbanas no país, tendo o Aedes aegypti como vetor. Divulgado na revista científica Plos Neglected Tropical Diseases, o trabalho mostra que, durante testes em laboratório, mosquitos silvestres Haemagogus leucocelaenuse Aedes terrens coletados no estado do Rio de Janeiro – espécies encontradas em grande parte das florestas do continente americano – são capazes de transmitir o vírus. Ainda é necessário verificar se os macacos brasileiros são capazes de atuar como reservatórios do chikungunya, a exemplo do que ocorre no ciclo de transmissão silvestre da febre amarela, vírus que também é originário da África.

No continente africano, onde o chikungunya foi identificado pela primeira vez, em 1952, os ciclos silvestre e urbano da doença podem ocorrer simultaneamente. Nas áreas urbanas, os insetos A. aegypti se infectam ao sugar o sangue de pessoas doentes e transmitem a infecção para outros indivíduos. Já nas florestas africanas, diferentes espécies de mosquitos silvestres contraem o vírus ao picar macacos doentes e espalham a infecção para outros animais. Nesse caso, a infecção humana pode ocorrer de forma acidental, quando pessoas entram na mata e são picadas por vetores infectados.

“Hoje, o ciclo de transmissão do chikungunya no Brasil ocorre em espaços urbanos, envolvendo o mosquito A. aegypti. Os nossos resultados indicam que os mosquitos silvestres estudados apresentam as condições para que o vírus possa estabelecer um ciclo de transmissão silvestre nas Américas. Esse cenário apresentaria um grave problema de saúde pública, uma vez que a infecção se tornaria mais difícil de controlar”, afirma o entomologista Ricardo Lourenço de Oliveira, chefe do Laboratório de Mosquitos Transmissores de Hematozoários do IOC e líder do estudo. “É fundamental incorporar o chikungunya em uma rotina de vigilância envolvendo o ambiente silvestre”, destaca o pesquisador.

Ricardo ressalta que não existem dados científicos publicados sobre a suscetibilidade dos macacos das Américas ao vírus chikungunya. “Sabemos que os macacos, na África, integram o ciclo silvestre do vírus. Porém, há diferenças importantes entre as espécies de primatas que habitam os dois continentes. Por isso, são necessárias investigações complementares, que testem a susceptibilidade de infecção dos primatas do nosso continente e seu potencial como amplificadores do vírus para infectar mosquitos”, sintetiza. O pesquisador ressalta que não está descartada a possibilidade de que outros grupos de vertebrados também possam integrar o ciclo de transmissão silvestre da doença.

 

Resultados comprovam potencial de transmissão

Para avaliar a possibilidade de transmissão silvestre, os pesquisadores realizaram testes com mosquitos H. leucocelaenus e A. terrens coletados no estado do Rio de Janeiro. Os insetos foram alimentados com amostras de sangue contendo as duas linhagens do vírus chikungunya que circulam no Brasil, chamadas de leste-centro-sul africana e asiática.

Os ensaios revelaram alto potencial dos mosquitos para disseminar o agravo: sete dias após ingerir o sangue infectado com a linhagem africana, mais de 60% dos insetos apresentaram partículas virais infectivas – capazes de provocar a infecção – na saliva. Para alguns mosquitos H. leucocelaenus, a presença do vírus infectivo na saliva se deu de forma ainda mais acelerada: apenas três dias após a ingestão do sangue infectado. No caso da linhagem asiática, os pesquisadores ofereceram sangue com uma dose menor do vírus aos insetos. Mesmo assim, aproximadamente 40% dos H. leucocelaenus e 5% dos A. terrens apresentaram partículas virais infectivas na saliva após sete dias.

 

Rotina de vigilância é a principal recomendação

Os autores do estudo defendem que sejam organizados programas de vigilância para a chikungunya que incluam uma rotina de avaliação de macacos e mosquitos, de modo similar ao que é preconizado para a febre amarela. Assim, seria possível determinar se a transmissão do vírus em ambientes silvestres já está ocorrendo e monitorar essa possibilidade no futuro. Em locais próximos de matas, os pesquisadores recomendam redobrar a atenção em relação a casos humanos de chikungunya, uma vez que, como o estudo apontou, os mosquitos silvestres estão aptos a transmitir o vírus. “É fundamental combater a doença, intensificando as medidas de controle do A. aegypti, especialmente nas áreas próximas às florestas, para prevenir o estabelecimento do vírus nas regiões de matas”, enfatiza Ricardo.

De acordo com os cientistas, as ações de vigilância devem incluir a coleta de amostras de macacos e mosquitos para avaliar a ocorrência de infecção natural. Além disso, a pesquisa de anticorpos – moléculas produzidas pelo organismo em resposta à infecção e que demonstram ter havido contato prévio com o vírus – deve ser realizada nos primatas e em outros animais vertebrados. “No caso da febre amarela, algumas espécies de macacos, como os bugios, são mais suscetíveis à infecção, e o seu adoecimento é um alerta para a circulação da doença – por isso são conhecidos como ‘sentinelas’. Em relação à chikungunya, ainda é preciso identificar quais os animais mais importantes para o monitoramento”, pondera o pesquisador.

 

 

Fonte: News Lab

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *