Zika continua a causar casos de microcefalia

Zika continua a causar casos de microcefalia

Quase quatro anos depois do surto de nascimento de bebês com microcefalia causada pela zika, os médicos afirmam que o vírus continua em circulação e novos casos estão surgindo.

Um dos maiores desafios da saúde pública no Brasil, que depende muito de saneamento básico e de educação, tem deixado a comunidade médica em alerta.

O mosquito transmissor da dengue, da chikungunya e da zika ainda encontra formas de se multiplicar, no nosso país. E, com isso, continua a provocar uma das consequências mais tristes dessa infestação.

No início de 2018, a dona de casa Ana Luíza achou que estava na hora de engravidar. Ela não imaginava que o vírus da zika ainda era uma ameaça para as grávidas. Benício nasceu, seis meses atrás.

“Pensei que não estava nascendo caso de bebê com microcefalia, mas aí a gente descobriu no ultrassom que ele estava com microcefalia porque a cabecinha estava”, contou.

Identificar as grávidas que apresentam os sintomas da zika é uma prioridade nos postos de saúde do Recife.

Os casos suspeitos são checados por exames de laboratório e as gestantes passam a receber atenção redobrada.

“É dado também a ela o acompanhamento psicológico, que é importante tanto para a gestante quanto para a família”, explicou Ana Sofia Costa, diretora executiva de atenção à saúde básica do Recife.

Até o início de maio, o Ministério da Saúde registrou 215 casos prováveis de mulheres que tiveram zika na gestação. O número preocupa, já que, em 2018, 124 bebês nasceram com a síndrome congênita do vírus na zika em todo o país.

Em 2019, um caso foi confirmado pela Secretaria de Saúde de Pernambuco, e outros 26 ainda estão sendo investigados; 161 grávidas do estado apresentaram sintomas de zika, dengue ou chikungunya.

Se novos casos de microcefalia continuam surgindo, é porque o vírus da zika está circulando, alertam os especialistas. A proporção é bem menor do que antes, mas as consequências para cada bebê de uma mãe que foi infectada na gravidez são para a vida toda. Enquanto o Aedes Aegypti não estiver sob controle, existe risco.

“Você tem a circulação do vírus, em pequena proporção, mas são capazes de levar à doença. E isso realmente é uma preocupação. Não só nesse período, mas uma preocupação nos próximos anos que outros surtos de zika venham a acontecer”, afirmou Carlos Brito, médico e pesquisador da Fiocruz.

“Existem pessoas que nunca tiveram zika e podem engravidar e ter zika neste período. É importante saber que não deixou de existir”, explicou a médica neuropediatra Vanessa Van Der Linden.

Com o monitoramento, a dona de casa Miscilene Correia soube, na gravidez, que a filha nasceria com microcefalia. A Bárbara tem oito meses.

“Além de preparar a mãe emocionalmente, ela vai ter todo um cuidado na hora do parto e depois que a criança nascer. O encaminhamento para fazer os tratamentos é bem rápido, bem melhor”, disse.

 

Fonte: Pragas e Eventos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *